Pesquisar este blog

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Tristeza, por favor vá embora...

Dias tristes existem. E eles não precisam, necessariamente, ser desencadeados por algo específico. Sãos dias apáticos, sem sol, sem chuva, sem brilho, sem cheiro de terra molhada. São dias de arrependimentos, são dias de desamparo. Dias em que tudo o que se quer é que ele chegue logo ao fim, na esperança de que o próximo será sempre melhor. E se o dia melhor não vier? E se já tivermos perdido a possibilidade de sermos felizes, ainda que nos digam que isso é improvável?

Dias assim são dias sem amores. Dias de perjúrio. Dias de mentira.
Estou escutando músicas que, em outros dias me fariam bem, mas hoje só presto atenção nas letras tristes e mesmo que o ritmo acolhedor do samba esteja presente, ele só consegue me abraçar como quem diz: "Seja bem-vinda. Aqui é permitido chorar."
Não é nenhum desolamento. Não tive uma grande perda recente. Apenas acordei sentindo que estou vulnerável à dureza da vida e que minha proteção habitual não está comigo hoje. Dias de perigo. Dias de desamparo. O desamparo do bebê que chora sem ser atendido.
Dias em que as lágrimas brotam sem motivo. Mas eu tenho dias em que a alegria me chega sem aviso prévio do mesmo modo que a tristeza me chegou hoje. Devo não ter sido grata o suficiente.

Acho que o jeito é esperar. Porque os dias de alegria súbita acabam. Esses dias de tristeza devem passar também. HOje o cheiro é de cansaço e de pele molhada.

3 comentários:

Kreps disse...

Difícil comentar sobre a tristeza. Dias assim que desmotivam até o mais enérgico dos homens, assolam a graça da vida, mas é justamente por causa desses dias que a vida tem mais graça. Obviamente que para os suicidas ex-deprimidos (afinal, já estão mortos, e única coisa nova que eles são é ser defunto) dias de tristeza plena são mais um motivo para morrer.
Não tiro a razão de ninguém usar sua vida como bem entender, mas não caio nessa de morrer. Da morte não tenho medo, mas também não tenho pressa. Os momentos caóticos e algumas crises existenciais só me fazem lembrar que é assim que deve ser.
Para a renovação é necessário alguma destruição, e obviamente esta não é muito agradável. Seja por algum motivo ou motivo algum, não há como escapar dos momentos inglórios.
Para fugir da tentação do pessimismo, tristeza e mal humor, eu encaro dias assim como um desafio. Devo mostrar minha capacidade de ser superior aos abalos emocionais.
E então inspiro minha Força num provérbio chinês que aprendi do Mestre Oogway: "Ontem é história; Amanhã é mistério; hoje é uma dádiva, por isso se chama presente." Ergo minha cabeça e encaro minha desgraça com um sorriso, dizendo a ela "derrube-me se for capaz!".
E então como diria o bom e velho samba de Paulo Emílio Vanzolini: "Levanta sacode a poeira e da a volta por cima!"

Giovanna Vilela disse...

O que importa é que todo hoje vira ontem, então basta esperar e fazer do amanhã, seu hoje mais feliz. :)

Milady Oliveira disse...

Obrigada!

De fato o dia de tristeza súbita passou e momentos melhores vieram. Mas é engraçado abrir o blog e ver dois comentários lindos: um, de quem não sabia comentar a tristeza; outro de uma ilustre desconhecida.

Grata!