Pesquisar este blog

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011


Você sabe o que eu acho da coragem?? Penso que é a coisa mais bonita do mundo e a menos compreendida também. Anda lado a lado com a liberdade, numa parceria que já dura milênios.

Há quem diga que ter coragem é saltar de bungee-jump. Andar a noite por uma ruela escura. Passar a noite no cemitério. E talvez eu concorde com essas pessoas em algum ponto, porque penso que ser corajoso parte de um pressuposto básico: superação. Esta não é uma reflexão original. Alguém já me disse um dia. Só é corajoso quem tem medo. Só se tem coragem se há um medo a ser superado, porque de outro modo como você poderia atestar a sua existência?

Sendo assim, se você tem medo de altura, saltar de bungee jump pode ser um ato muito corajoso. Se você tem pavor de sangue, mas consegue se concentrar o suficiente e não desmaiar para poder socorrer alguém, também. Se lhe é insuportável estar em um lugar com muita gente, mas ainda assim você vai ao aniversário do seu amigo, dá-lhe coragem! Se você pode largar seu confortável sofá e ser voluntário junto à cruz vermelha, isso sim é muita coragem.

"Não existiria som, se não houvesse o silêncio. Não haveria luz, se não fosse a escuridão..." (Lulu Santos)

E não haveria coragem, se não houvesse o medo. Porque sentir medo é humano e até certo ponto é saudável - Darwin esteve aí para nos confirmar isso. O medo não pode ser paralisante, como Lenine e Julieta Venegas cantaram: "O medo é uma linha que separa o mundo. O medo é uma casa aonde ninguém vai. O medo é como um laço que se aperta em nós. O medo é uma força que não me deixa andar." Esse medo que nos impede de caminhar e aprender, que é patológico no sentido de atrapalhar a vida, ele não pode ser permitido.

Lembra do Coragem, o cão covarde?
O nome dele é perfeito! Coragem é um cão super medroso, mas que sempre salva seus velhos donos que nunca percebem ao certo o que está acontecendo, muito menos o perigo iminente! Com o olhar de "cão perdido" e a boca sempre tremendo e mostrando seu dente furado, ele sempre dá conta do recado, superando sua covardia. Desenho animado é aprendizado. Com Coragem eu aprendi que o medo existe para ser superado. Para que possamos ter a oportunidade de sermos corajosos ou covardes.  

Meu medo é o de estar longe das pessoas queridas que fazem do mundo um lugar melhor. Minha coragem se expressa em minha atitude de deixar essas pessoas do outro lado do país para aprender a fazer de qualquer lugar do mundo um lugar habitável e confortável para mim. Como hoje estou muito musical, lá vem mais uma canção de que me lembrei. "Mas tenho meu canto cativo pra voltar. Eu posso até mudar, mas onde quer que eu vá, o meu cantinho há de ir dentro..." (Marisa Monte)

Moçoilos e moçoilas, tenham coragem de fazer valer a nossa condição humana de caminhantes e aprendizes. Eu estou me arriscando mais uma vez a me encontrar por aí. Caminhando por novos lugares e aprendendo com tudo o que me acontece. Não deixe que a oportunidade passe por você e vá embora sem que você tenha demonstrado quão corajoso você é!

Mude de cidade, tenha um filho, tire a habilitação para dirigir, diga verdades, dance do jeito que quiser no meio da pista de dança, torne-se missionário, faça seu mochilão, beije aquela garota, escolha a profissão que você sempre quis, roube a flor do quintal de alguém, doe sangue, permaneça no sofá, encare seu patrão, reúna forças para resistir ao açúcar, diga aos seus pais que você os entende, diga ao seu filho que ele pode crescer, peça perdão ao amigo que você magoou, ouse viver.

 

A vida nos impele à coragem.


P.S.: Impelir: v.t. Empurrar, arremessar, lançar com força, dirigindo para algum lugar.
Fig. Incitar, estimular, induzir, instigar.
Obrigar, coagir, constranger.


4 comentários:

Bruna disse...

Sabe aquele tipo de texto que, quando vai chegando no final, faz sobir um sentimento como se fosse explodir de dentro de você? Aí quando o texto acaba você sente aquela vontade imensa de sair de casa e simplesmente viver? Pois foi isso que senti no seu texto. Poucos textos me causaram isso, todos fascinantes!

Bruna disse...

*subir hahaha

Kreps disse...

Murieeeeel!
Saudades de coragem, há muito não assisto essa obra prima dos desenhos animados! Outros grandes personagens que são heróis ridiculamente medrosos e que eu sempre me divirto com eles são o Eric (meu chará) do Caverna do Dragão e o queridíssimo Chapolin Colorado. Sim ele mesmo, e aliás meu preferido. Não é à toa que Chespírito era considerado um gênio, pois ousou criar um personagem teoricamente ridículo tão carismático, tal como Sancho Pança de Cervantes.
São tantos os exemplos e tão clássicos que é impossivel citar todos.
E assim é que atestamos a veracidade deste belíssimo texto. São tantos exemplos na literatura, artes cênicas, animações, televisão, cinema e mais centenas e centenas de medrosos que se tornam heróis, às vezes de uma geração toda.
E dizem as más linguas, que herói é o covarde que não fugiu a tempo. Será esta frase uma mentira?

E para não deixar de colocar a musicalidade do tema, como fez nossa estimada autora:

"Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz
Coragem, coragem, eu sei que você pode mais [...]"

Esta é do Raul, O Seixas. E digo que não há apenas uma música dele com este tema: tem pelo menos umas 5 que eu me lembro.

Ousar, superar o medo, vencer o medo, criar coragem... Tudo isto parece tão bonito quando não vem "nas telhas" a idéia: Será que podemos determinar que qualquer ato, ousado ou não, qualquer decisão importante na nossa vida como coragem?
Decidir algo com coragem não significa também que está sócio-convencionalmente correto.
Como podemos definir um conceito de coragem sem ferir os preceitos éticos e morais, ou o próprio signo da palavra.

Indagações sobre indagações que não levarão a consenso nenhum são o que são. Por isso a ignorância é e sempre será uma benção.

E não parando por aqui, como podemos ter coragem de enfrentar um medo e ainda ter medo? Digo isso por experiência própria e compartilharei aqui com todos, mesmo sendo engraçado e ridículo:
tenho pavor de borboletas, mariposas e afins, por vários argumentos que não citarei. Quando apareçe uma perto de mim, os sintomas vem à tona (só de lembrar eu já sinto um comichão). Eu sempre as enfrento: tento "aprochegar" e conviver no mesmo território, tento ignorar, tento conversar, mas no fim ou sai eu do lugar, ou eu mato a infeliz. E por mais que eu tenha tentando enfrentar de várias maneiras, ainda sinto o bendito medo. Tenho coragem pra enfrentar, mas o medo não se dissipa. Eu sou um cão covarde, literalmente.

Será que poderemos dizer que coragem é superação?

Muitas, muitas perguntas, mas apenas um sentimento em comum: "Aí quando o texto acaba você sente aquela vontade imensa de sair de casa e simplesmente viver?"

Sim, esse texto devia estar em livros de auto-ajuda (com todo respeito, e pedindo desculpas caso tais palavras ofendam). Aliás, ele representa um livro todo, ou todos os livros juntos. Curto, simples e motivador.

E não esqueça de visitar meu blog, pois estou começando a postar algumas de minhas teorias absurdas sobre o mundo, a fim de discutir com o público.

http://orostodaevolucao.blogspot.com/

Milady Oliveira disse...

Fui lá no seu blog, sim. Vai lá ver!

É, "auto-ajuda" não chega a ofender, ams mexe nos brios. POrém eu tenho de onvir que meus textos ultimamente têm tido esse sabor. Se no fim, motivam alguém, tudo bem;. Se não, escrevê-los já foi uma "auto-ajuda" no sentido literal. Ajudaram a mim.

E pode ser que coragem seja uma superação momentânea, sim. Se você consegue vencer seu medo de efemerópteros quando você realmente precisa, meu garoto, você já foi corajoso. Ainda que o medo volte a habitar em você.

Ainda acho que coragem é superação. Afinal, eu morro de medo de encarar um palco e as temidas borboletas voltam ao meu estômago todas as vezes em que tenho que passar por isso mais uma vez. Não importa.

;*