Pesquisar este blog

terça-feira, 3 de junho de 2008

Quero a minha liberdade, já!


A liberdade é um bichinho estranho. Quando você pensa que o tem nas mãos, logo percebe que não tinha nada.Era só um protótipo daquil0 que você imaginava.

Parece muito fácil dizer-se "livre" em um país em que, aparentemente, tudo pode. Conceitos, conceitos, conceitos... Apenas conceitos regem a nossa vida. Ser livre. O que é isso??
Ontem assisti, na íntegra dessa vez, "Eu, robô", aquele filme futurista do Will Smith. No final (se não quiser saber ão leia essa parte), o Sonny, o robô que sente, que escolhe, que aprende, enfim, que foi programado para ser quase um ser humano, se vê sem o seu criador e com sua missão completa. E ele se pergunta "E agora?". Smith responde: "Isso é que é ser livre".
Lembro que me sentia muito livre quando andava descalço na praia, sem preocupações, sentindo a areia nos meus pés. Me sinto muito livre quando estou sozinha em casa e me agarro ao cabo da vassoura e canto a plenos pulmões. Ou quando saio da faculdade com uma aula vaga e vou no shopping, compro um ovomaltine e vou para a livraria Adeptus ficar fuçando os livros que tem por lá. Ou quando vou pra Chapada e me enfio debaixo da cachoeira da Salgadeira e sinto aquele tanto de água jorrando desesperadamente sobre minha cabeça.

Então os hippies é que são livres? Os gatos é que são livres? Em "Saltimbancos" eles cantavam "Nós gatos já nascemos pobres, porém já nascemos livres..."
Eu então sou o quê? Uma prisioneira. Não estou dentro de uma cela, mas estou presa à sociedade, ao sistema que a rege, à hierarquia em que estou metida. O que tenho então, descubro agora, são relances de liberdade. Porque eu posso, sim, sair a noite caminhando na praia. Mas não devo. Há pessoas maldosas que poderiam tornar esse momento mágico, em trágico. Não posso ir ao shopping tomar um ovomaltine na aula vaga se não tiver dinheiro.

Não quero me contentar com esses relances. Não quero viver de relances. Não quero relances de felicidade (como já disse que vivemos em outro texto deste blog), de relances de liberdade, de relances de sabedoria, de relances de solidariedade, relances de gratificação. Quero viver tudo isso PLENAMENTE. Sentir tudo isso em escala industrial! Quero sentir aquela sensação que sinto quando canto uma das músicas que mais gosto toda hora!!! Quero saber que ao acordar vou ter à minha frente um mundo de oportunidades de ser feliz. E, utopicamente falando, quero ver um mundo de gente feliz!
Mas pra isso preciso de uma sociedade perfeita. Marx não conseguiu, Jesus não conseguiu (ainda), provavelmente eu não vou conseguir. Mas a minha parte será feita.

Porque liberdade é direito!! Devemos estar comprometidos com aquilo que consideramos importante, mas sempre, sempre, sempre livres... Algumas vezes não temos consciência suficiente para isso, mas nascemos com esse propósito. Buscamos a liberdade inconscientemente. Viemos ao mundo para sermos livres!

Sorria. Cante. Veja. São os seus relances de liberdade.

Um comentário:

Kreps disse...

Primeiro, como sempre, vamos as correções:
Eu, robô não é do Will Smith. É do Isaac Azimov, escritor Russo do século 19 que foi o primeiro a definir a palavra ROBÔ para designar qualquer computador com Inteligencia Artificial.
Tá bom, esta correção é estupida, mas eu não resisti. MUHUHOHAHAHAHA!

Agora sim, vamos ao comentário.
O que é liberdade? Procura ae no dicionário:

s.f. faculdade de uma pessoa poder dispor de si, fazendo ou deixando de fazer por seu livre arbítrio qualquer coisa;

gozo dos direitos do homem livre; (ou seja, o home livre pode gozar aonde quiser?)
independência;
autonomia;
(ele pode dar um nome a si mesmo?)
permissão;
(PERAE...PERMISSÃO NÃO É DADA POR ALGUEM. OU SEJA, TINHA LIMITE...)
ousadia;
(???????????)
(no pl. ) regalias;
(no pl. ) privilégios;
(no pl. ) imunidades.(É IMUNE ATÉ A DOENÇAS????)

- de consciência: direito de emitir opiniões religiosas e políticas que se julguem verdadeiras;(VOCE SÓ TEM LIBERADE DE DIZER AS VERDADEIRAS???)
- de imprensa: direito concedido à publicação de algo sem necessidade de qualquer autorização ou censura prévia, mas sujeito à lei, em caso de abuso;(SE SUJEITO A LEI, FERE O SENTIDO ORIGINAL DA PALAVRA)
- individual: garantia que qualquer cidadão possui de não ser impedido de exercer e usufruir dos seus direitos, excepto em casos previstos por lei.

EU acho pitoresco isso.
Não existe a liberdade, desde os primórdios. O tal livre arbitrio, concedido por Deus, é verdadeiro? Você pode escolher entre o bem e o mal, mas se escolher o mal, vai sofrer, tanto na vida real quanto no julgamento deste deus. Então você não tem o direito de escolher, e sim de obedecer.
E tanto em qualquer caminho, você terá que obedecer alguém, alguma coisa, alguma regra.

É incrível mesmo. Não existe liberdade. Liberdade exige ausência de limite. Você pode ser livre, dentro do seu limite? Mesmo que você goze onde bem entender, você sairá ileso por isso.

TUDO EXIGE UMA REGRA DE LIMITAÇÃO.
Uma águia, não pode mergulhar, uma criança não pode nadar depois do almoço, um windows xp é uma merda.

IDAÍ? QUAL O SENTIDO DE QUERER LIBERDADE? POR QUAL MOTIVO, RAZÃO OU CIRCUNSTÂNCIA VOCÊ QUER SER LIVRE?
Você é livre para pensar. E ISSO É SUFICIENTE, pois pensar é ilimitado para quem quer, imaginar, sonhar. Um mundo abstrato, criado por cada um dentro de si é ilimitado. E isso dá a sensação de liberdade.
Lembram-te quando era proibido pensar, na ditadura, sem poder se expressar, sem poder fazer coisa alguma.

É melhor uma liberdade de pensamento, de fazer o que quer dentro dos limites que a sociedade em conjunto se impôs, do que ficar preso na loucura de pensar que existe uma liberdade além da imposta pelo limite.
Coisa de comunista.
Anarquista, talvez.
Seria bom uma sociedade mais inteligente, compassivel, justa, utópica, de Marx, jesus, Buda, seja quem for.
Mas como eu disse, algumas pessoas, alguns lugares tem LIMITES, e isso impede que todos evoluam no mesmo ritmo.